O que Pode e o que não Pode no Transporte de Cargas de Motocicleta -

30.04.2020

O que Pode e o que não Pode no Transporte de Cargas de Motocicleta

Desde que as motocicletas começaram a ser utilizadas em transportes, empresas e pessoas ganharam mais praticidade e agilidade em suas rotinas. Entretanto, o condutor que deseja realizar entregas precisa seguir uma série de normas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Trânsito para ter mais segurança na atividade. Para quem vai trabalhar com a moto, vale conferir o que pode e o que não pode no transporte de cargas.

O que pode: dispositivos de transporte permitidos e suas regras de uso

Todas as normas que regulamentam o transporte de carga via motocicleta estão dispostos na Resolução nº 356/2010 do CONTRAN. É ali que itens como tipo de baú para moto, peso e medida da caixa e adesivos retrorrefletores permitidos são detalhados e tem suas regras estabelecidas.

Uma primeira obrigatoriedade que muitas pessoas desconhecem é o curso específico para trabalhar com entregas. Se a atividade de transporte de cargas for frequente e remunerada, seja alimentos, documentos ou itens variados, o condutor precisa passar por um curso de formação em motofrete. 

Quanto aos dispositivos de transporte de cargas, as famosas caixas para moto, os modelos permitidos são: baú, alforje (ou caixas laterais) e grelha. É liberado ainda o uso de sidecar para transporte de galões de água mineral, com capacidade máxima de 20 litros. Tanto o dispositivo quanto a carga não pode comprometer a visão do condutor em relação aos espelhos retrovisores.

No caso do baú para moto, a regulamentação impõe que ele tenha no máximo 60 cm de largura, desde que não ultrapasse as extremidades internas dos espelhos retrovisores. Essa medida é a mesma que se considera para o limite de comprimento, neste caso, não excedendo a extremidade traseira do veículo. Por fim, a caixa para moto não pode ter mais de 70 cm de altura em sua base central.

Todos os modelos de baús plásticos da iCBras respeitam as normas de medidas da CONTRAN.

Para os alforjes, que são as bolsas laterais muito utilizadas em viagens, a regra é que se respeite o peso máximo permitido no manual do veículo e que a altura não seja superior à altura do assento. Já a grelha, que também tem sido bastante usada para transportes de moto, tem o máximo de 70 cm de largura, sendo que a carga deve obedecer às dimensões do suporte. No caso da grelha, a altura do que é carregado não deve exceder 40 cm de sua base central.

Independentemente do tipo de baú para moto que você escolher, todos devem seguir as dimensões e pesos máximos identificados no manual do veículo. Respeitar os limites recomendados é fundamental, porque o excesso de peso pode prejudicar os freios, além de causar rachaduras na estrutura da motocicleta, sendo ambos grandes riscos para o condutor. 

É obrigatório: faixas retrorrefletoras 

Para quem vai circular com um baú para moto ou outro tipo de dispositivo de carga, saiba que é obrigatório utilizar as faixas retrorrefletoras, que tem como principal função favorecer a visualização da sua moto no trânsito, para que os outros condutores consigam enxergar seu veículo. Esse item dá mais segurança ao motociclista, especialmente em viagens noturnas.

Além disso, tanto para quem realiza entregas com caixa plástica para moto quanto para quem utiliza o veículo somente para se locomover, é obrigatório o uso do capacete e de roupa apropriada com faixas retrorrefletoras. Na resolução do CONTRAN é possível conferir todos os detalhes do uso das faixas.

O que não pode: itens proibidos

Enquanto alguns produtos tem o transporte permitido ao seguir determinadas regulamentações, outros são completamente proibidos. É o caso de combustíveis inflamáveis ou tóxicos, com exceção dos botijões de gás. Nesse caso, o motociclista só pode carregar botijões com carga máxima de 13 kg, em dispositivo próprio para esse tipo de entrega.

Outro item proibido é o galão de combustível em motos que realizam transportes de passageiros. Ou seja, se você é um “mototaxista”, não pode contar com um galão para combustível reserva, uma vez que pode oferecer riscos sérios para quem está na parte de trás da motocicleta. 

Este tipo de galão também está proibido para quem realiza entrega de mercadorias ou serviço comunitário de rua. Para quem tem uma moto com pouca capacidade de combustível e não a utiliza como ferramenta de trabalho, é possível contar com um galão de combustível, desde que seja feito em material específico e passe por verificação do Inmetro.

Todos esses itens, desde a caixa plástica para moto, passando pelas faixas retrorrefletoras, até as orientações do manual do veículo ajudam o condutor a ter mais segurança em suas viagens. Siga sempre as normas do CONTRAN e opte por fornecedores que utilizam essas métricas na fabricação dos dispositivos de carga.